segunda-feira, 28 de abril de 2014

Botoques e Piercings

Revista mensal de moda TUPI POP traz materia especial sobre as ultimas tendências em botoques coloridos, feitos de plexiglass.
Assim que os Portugueses chegaram no Brasil encontraram alguns grupos indígenas que se destacavam pelo uso de grandes discos de madeira nos lábios e nas orelhas, e passaram a ser chamados de Aymorés ou Botocudos (índios que usam o Botoque).

Botoques ou discos labiais, são ornamentos feitos da madeira extraída da árvore "Barriguda" (Bombax ventriculosa). Esses discos são perfeitamente lixados, a madeira é desidratada no fogo ficando leve e esbranquiçada. É comum que o botoque seja pintado com riscos geométricos. Somente os homens esculpiam os botoques, mesmo aqueles usados pelas mulheres. As orelhas das crianças eram furadas aos sete anos de idade, mais ou menos e os lábios um pouco mais tarde. Os botoques implantados inicialmente eram pequenos e aumentavam de tamanho gradativamente.

Os Botocudos não constituíam um grupo indígena único, eram índios de diferentes etnias com algumas características em comum: como o uso dos botoques e o semi-nomadismo. Sobre o genérico nome "botocudo" eram conhecidos os índios das etnias Pojixá, Jiporok, Naknenuk, Nakrehé, Etwet, Krenak, entre outras.
 
Índios Botocudos por Johann Moritz Rugendas, 1822 a 1825
Em 13 de maio de 1808, o príncipe regente dom João assinou uma carta régia mandando “fazer guerra aos índios botocudos”. Os portugueses venceram a guerra, usando pólvora e aço e armas biológicas - roupas e cobertores impregnados de vírus de varíola eram deixados na floresta para uso e contaminação dos índios.Os índios que sobreviviam foram escravizados.

Atualmente todas as populações Aymoré ou dos Botocudos foram dizimadas, exceto seus descendentes Krenak. Os Krenak vivem atualmente no Estado de Minas Gerais e contam 99 indivíduos.
 
os homens mais velhos usam os tradicionais botoques de ‘Árvore Barriguda’ envernizada.
Imaginem agora que a tal carta regia nunca tivesse existido, e os índios Botocudos tivessem feito sobreviver sua cultura, com o uso de seus botoques e piercings até os dias de hoje.

A cultura ‘Tupi Pop’, também chamada de ‘Nova Tupi’, criada neste blog em 2012 http://ameobrasil.blogspot.com.br/2012/12/como-seria-o-brasil-se-cultura-dos.html celebra o uso de Botoques e Piercings. Jovens desfilam nas ruas com seus lindos botoques coloridos, enquanto que, os homens mais velhos usam os tradicionais botoques de ‘Árvore Barriguda’ envernizada.
 

O "piercing janela" é um disco de plexiglas embutido no lábio inferior e na bochecha para que se possa ver o interior da boca e a linha da gengiva - http://ameobrasil.blogspot.com.br/2012/12/como-seria-o-brasil-se-cultura-dos.html
Revistas de moda, como a TUPI POP, lançam as ultimas novidades em botoques feitos de plexiglass transparente, ou com estampas criativas.


Quem sabe podemos enaltecer o orgulho de sermos brasileiros, talvez nos próximos anos a moda urbana inclua as pinturas nos rostos de nossos jovens, ou mesmo pinturas corporais tal como as mostradas no Spa Pihin (Spa Pihin – foi uma outra idéia de valorização da cultura indígenaatravés da criação de um Spa que faz uso de técnicas de cuidado e carinho com ocorpo através da s pinturas com e ervas especiais – Pihin, palavra do Tupiantigo que significa ‘Pintura Corporal) tal como ainda se faz em reservas isoladas, ou tribos ainda existentes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário