sábado, 29 de agosto de 2015

CORTE O SALÁRIO DOS POLITICOS

Dicas de Policarpo Quaresma para quem ama o Brasil
Apesar de o Blog Ame o Brasil (<3 o [<o>]), ter assumidamente postura apolítica, achamos por bem refletir sobre o que podemos fazer para ver o pais em melhor situação.

Quem ama cuida – já que amamos o Brasil, devemos cuidar dele.

Isso posto, vamos a primeira dica de Policarpo Quaresma:

SE TIVER QUE CORTAR DESPESAS DO GOVERNO, A PRIORIDADE É CORTAR O SALÁRIO DOS POLÍTICOS

Essa é indiscutivelmente a primeira e mais valiosa de nossas idéias, se fizer uma analise fria verá que o problema dos altos ganhos de ocupantes de cargos públicos, gera praticamente todos os outros.

Alguém escolhe ser político por dois motivos:
1- Pelo amor ao país;
2- Pelos ganhos e conseqüente poder da função,

Se tirarmos o dinheiro da equação sobra só o AMOR AO BRASIL.

Read this article in english

O dinheiro pertence ao contribuinte, e também o nosso poder sobre ele. Devemos exigir uma total redução de gastos com os salários dos 3 poderes, salários mais baixos para o presidente da república, extinção de salários para deputados e vereadores, o não pagamento a assessores e transparência plena dessas informações.
Dica n° 03 - Na Suécia Deputados Federais vivem em apartamentos de 40m2, (alguns em cubículos de 18m2) com lavanderia comunitária, quem quiser lavar sua roupa tem que marcar hora numa lista e esperar sua vez. No recinto tem uma placa onde diz städa upp!! ( equivalente a - limpe tudo!!). Alem de faxineira eles não tem direito a secretária, assessor particular, carro com motorista e nem gabinete. O consenso geral é o seguinte: “políticos são eleitos para representar o cidadão comum, e o cidadão comum trabalha”.

Deve também existir leis restritivas para evitar o posterior aumento de seus salários por eles próprios, vindas de agencias reguladoras independentes e auditadas.

O pensamento é simples: Quando comecei a trabalhar, meu salário era R$ 800,00 e meu aluguel era de R$1.000,00 – se eu fosse um político eu poderia aumentar meu salário para R$ 3.000,00 porque assim sobraria uma grana para o final mês. Esse é o pensamento daqueles que arbitrariamente escolhem seu próprio salário.

De acordo com um estudo realizado pelo professor Emir Kamenica, juntamente com colegas da Universidade de Columbia, Universidade de Princeton, e DONG Energy, elevando os salários dos políticos é pouco provável que resulte em uma melhor governança. Na verdade, o que temos é o oposto.

Os pesquisadores consideram os efeitos de um aumento de salário em alguns membros do Parlamento Europeu (MPE). Em 2009, o Parlamento Europeu implementou um sistema de pagamentos de salário uniforme, e todos os deputados começaram a ganhar salários anuais no valor de € 90.000.
Dica n° 23 - Na Suécia, vereadores e Deputados Estaduais não recebem salário. Karin Hanqvist, Vereadora que mora em Blackeberg no subúrbio de Estocolmo, exerce suas funções como vereadora de casa, trabalha em uma creche pois a única coisa que recebe dos contribuintes é um computador e uma gratificação equivalente a R$ 280,00 por mês.

Eles descobriram que um aumento salarial levou a ter políticos com menos educação formal. Dobrar o salário de um deputado europeu fez cair em 15% o numero de deputados freqüentando uma faculdade com classificação entre as top 500 do mundo.

Talvez um aumento salarial poderia, pelo menos, inspirar os políticos a trabalharem mais? Infelizmente, o aumento fez pouco para melhorar empenho que políticos colocavam em seus afazeres. Os pesquisadores construíram uma variável para definir o índice de esquivamento (Shrinking) - anotando o histórico de votação de um membro, bem como quantas vezes ele ou ela assinou a lista de presença diária, sabendo dessa forma, quantas vezes deixaram de comparecer à uma sessão legislativa. A conclusão foi que o salário teve um impacto insignificante em ambos shirking e presença.

Um comentário:

  1. Para isso acontecer, deve-se começar pelo básico : fim da “indexação salarial” no serviço público. O que é isso ? Vc já deve ter ouvido que quando o “teto” do piso salarial de cada um dos poderes (Presidente da República, Ministro do STF, e Membro do Parlamento) aumenta, existe um “efeito cascata” automático : salários de diversas categorias sobem automaticamente, porque são indexados a percentuais equivalentes ao maior salário de cada um dos poderes.
    Esse “vício” da indexação salarial foi injetado no texto da Constituição de 1988, fruto das piores lembranças dos anos de inflação, que achatou sobremaneira os salários do funcionalismo. Após 1988, muitas carreiras do serviço público lutaram para uma equiparação entre poderes, de modo a garantir ganhos automáticos quando o “teto” subisse.
    Portanto, se a idéia é reduzir os salários do “topo” de cada um dos poderes, é necessário acabar com a indexação antes, através de uma PEC (Projeto de Emenda Constitucional), a ser apresentada ao Congresso Nacional.
    Outra forma de induzir a redução dos salários no topo dos 3 Poderes, pode ser a atuação focada nas cidades, como São Paulo. Tanto os Estados (com as Constituições Estaduais) como os Municípios (com as Leis Orgânicas dos Municípios) tem total autonomia para estabelecer a remuneração de seus funcionários públicos, o que incluem seus Prefeitos e Vereadores. A vantagem de se fazer uma abordagem municipal é que a pressão popular fica próxima do legislador, e próxima da realidade da sociedade que vai discutir o tema.
    Cidades com uma mobilização social mais organizada tendem a conseguir melhores efeitos com a pressão popular sobre as Prefeituras e Câmaras dos Vereadores - por exemplo, no mês passado, a cidade de Santo Antonio de Platina/PR, votou e reduziu os salários e Prefeitos e Vereadores (http://g1.globo.com/pr/norte-noroeste/noticia/2015/07/camara-aprova-reducao-no-salario-de-prefeito-e-vereadores-no-norte-do-pr.html)
    Quando mais cidades começarem a fazer isso, a pressão sobre as Assembléias Legislativas, e sobre o Congresso Nacional, vai ser muito maior. E se cidades como São Paulo, Rio de Janeiro, Campinas ou Guarulhos começarem a dar o exemplo, a pressão popular e da mídia em outras cidades será enorme.
    Que tal isso pra começar ????

    ResponderExcluir