sexta-feira, 1 de setembro de 2023

Afinal, onde fica e o que foi o Monte Careca do Inhapuambuçu?

 

A maior parte das aquarelas de Debret foram feitas para retratar o Rio de Janeiro, no entanto, para meu prazer há algumas em São Paulo - uma delas chama especial atenção por retratar uma pedra calva no que era a Vila de Inhapuampbuçu.

O Enigma da Aquarela de Debret

Há algum tempo tentei identificar onde estava esta pedra e acreditei, por influência de alguns biógrafos, geógrafos e historiadores, que a pedra ficava próxima do Mosteiro de São Bento.

Era quase uma unanimidade em  dizer que a aquarela panorâmica de São Paulo de Piratininga tinha proporções erradas. Como ilustrador que admira muito o trabalho e a precisão do Debret, tenho certeza que ele jamais cometeria um erro tão grosseiro. 

Hoje é muito difícil perceber os relevos da Acrópole Piratiningana, mas quando olhamos as fotos da época das obras de canalização do córrego Itororó e construção da avenida 23 de Maio, podemos perceber a grande elevação do terreno da antiga Praça da Forca (vide torre Capela Santa Cruz das Almas dos Enforcados do lado esquerdo)

Mas de fato, algo sempre parecia estar errado, a pedra não se encaixava na paisagem.

Ao andar pelas minha desconfiança só aumentava, ficava cada vez mais claro que aquela região não suportaria uma pedra daquele tamanho naquelas dimensões. Pesquisei bastante, andei pela cidade mais algumas vezes, olhei em vários ângulos e notei que a aquarela do Debret estava sendo vista do ponto errado.

A correspondência entre os prédios, o ângulo e suas localizações é inegável, a fortificação foi colocada adicionamento só para ajudar como referência - na época de Debret, obviamente, já não havia mais as muralhas.

A Várzea do Carmo

Para que a pedra realmente ficasse próxima ao Mosteiro de São Bento seria necessário que Debret estivesse fazendo uma aquarela em alguma região do Parque do Carmo, mas como sabemos o parque é um alagadiço plano, e na aquarela há uma elevação e uma árvore, que da vista para o vale, o que induz queo o artista estva em num ponto alto. Na parte oeste do Vale do Anhangabaú, existem vários pontos altos. 

A Pedra Careca do Inhapuambuçu tinha grande importância espiritual para a Aldeia de Tibiriça 

Se a cidade não tivesse mudado tanto sua paisagem, essa seria a vista que teríamos hoje da Pedra Careca do Inhapumabuçu.

Vista atua do Jardim Oriental da Liberdade, onde foi a Pedra Careca do Inhapuambuçu.

Assim que descobri isso, fui procurar pontos altos da cidade que dessem vista para a acrópole piratiningana, tarefa considerada quase impossível devido à enorme quantidade de prédios, o relevo da cidade fica escondido no meio de tantas construções - só conseguimos conhecer o relevo subindo e descendo as varias ladeiras da cidade.

Com tantas avenidas, fica difícil enxergar onde realmente era acrópole piratiningana.

Uma vez identificado o ângulo onde estava Debret, a posição e o ângulo de observação dos edifícios e igrejas e a passagem do vale, com um trecho de planície alagada próximo à pedra, é fácil extrapolar uma vista aérea da Acrópole de Piratininga...

...e sobrepô-lo ao atual cenário caótico das construções urbanas atuais.

Vendo as fotos da época das obras da Avenida 23 de Maio, sobre o Vale do Itororó, fica claro que Debret estava em algum lugar da rua Conde de São Joaquim, próximo ao viaduto Condeça de São Joaquim.

A partir dai, fica tudo mais fácil, tudo o que tenho que fazer é comparar mapas antigos e o panorama da cidade. E confirmando o que eu já esperava, Debret não se equivocou, ele foi preciso.

Descreveu a cidade nos mínimos detalhes, os prédios laterais da Sé e do Pátio do Collégio, a quantidade de torres que existiam nas suas na Vila, batia perfeitamente.

Tudo estava onde deveria estar, mas ainda assim aquela pedra careca era um mistério, ficava fora das fortificações da vila, próximo ao Aldeia do Tibiriçá. Com isso, percebi que o único lugar plausível para que aquela pedra pudesse estar onde é o hoje o Jardim Oriental da Liberdade.

É importante ressaltar que devido à localização do antigo Cemitério dos Aflitos na região, o grande portal xintoísta 'Torii' vermelho que recebe os visitantes no viaduto da Rua Galvão Bueno, cosnstruído para homenagear os primeiros imigrantes japoneses que aqui chegaram em 1912, e a pedra calva do inhapuambuçu, que teve importância espiritual para Tibiriça e para os habitantes da aldeia; tornam aqula região num ponto de grande importância geomântica, que carrega uma enorme egrégora espiritual.

A Região Espiritual do Inhapuambuçu e Sua Transformação ao Longo dos Anos

A região onde atualmente se encontra o trinagulo histórico e o bairro da Liberdade, em São Paulo, tem uma história fascinante de profunda importância espiritual para os Tupis que a habitavam antes da chegada dos portugueses, passando para a sua época sombria na qual os africanos que aqui foram escravizados tiveram seu cemitério, e por fim, para os japoeneses que chegaram, em contínua tranferência espiritual através do tempo aos Japoneses que lá chegavam, culminando com o qu é hoje o Jarim Orintal e o portal da Liberdade, o Torii, marcando a historica importancia espeititual da regiao. 

História Espiritual do Inhapaumbuçu

Como vimos anteriormente, a Aldeia de Inhapuambuçu localizava-se aproximadamente onde hoje fica o calçadão do Fórum João Mendes e a pedra careca na quadra do Morro da Forca até o viaduto da cidade de Osaka, onde hoje fica o Jardim Oriental.

Jardim Japonês, é um elemento de profundo significado espiritual na região da pedra careca, no bairro da Liberdade. Este jardim é muito mais do que uma mera decoração; ele representa a harmonia, a espiritualidade e a ligação com a cultura japonesa, cada elemento do jardim, desde as carpas coloridas até as lanternas suzurantou, tem um significado especial. As carpas, por exemplo, são símbolos de boa sorte, coragem e determinação, quando nadam contra a correnteza, elas representam a superação de desafios.

Antes da chegada dos colonizadores europeus, essa região era habitada por povos indígenas Tupi, para esses ancestrais, a Pedra Careca do Inhapuambuçu já era um local de grande importância espiritual, embora não tenhamos registros exatos de datas, sabemos que a área já possuía uma carga cultural significativa que remonta à pré-história da região.

Nos fins de Agosto de 1553 o Padre Manuel da Nóbrega visitou a recém-criada aldeia Inhapuambuçu, onde os índigenas estavam em processo de conversão ao cristianismo. O local foi escolhido com base em sua topografia e hidrografia favoráveis, tornando-o ideal para a criação de um núcleo de catequese e fudação da Vila de São Paulo de Piratininga.

Naquela época, a principal atividade econômica era o fornecimento de gado que percorria algumas estradas, onde ficavam fazendas e alguns casas foram construídas. A Liberdade foi considerada uma zona periférica até ao século XIX, altura em que era conhecido como Bairro da Pólvora, graças à Casa de Pólvora, construída em 1754 no actual Largo com o mesmo nome.

Em 1779, próximo ao antigo Largo da Forca, foi estabelecido o primeiro cemitério público em São Paulo, localizado entre as ruas Galvão Bueno, Glória e Estudantes, destinado ao sepultamento de indigentes, escravos e condenados à forca até 1858, quando foi inaugurado o Cemitério da Consolação. 

A partir de 1810, no então Bairro da Pólvora, houve um aumento na concessão de terras, vendas e divisões de sítios na área, devido ao crescimento populacional em São Paulo. Em 1850, as autoridades pressionaram os proprietários de diversos terrenos na cidade para que melhor aproveitassem suas terras, isso levou muitos latifundiários a abrir ruas, alamedas e largos em suas propriedades, fazendo arruamentos e loteamentos, o que teve um impacto decisivo na transformação da região.

O centro de São Paulo está localizado em uma região que possui solos predominantemente sedimentares, compostos por diversas camadas geológicas. Na aquarela de Debret, a pedra calva aparece com uma curiosa exposição de rochas riscadas, parte da geologia local, com aspecto de granito. É possível que o granito, rocha ígnea intrusiva, geralmente formada por minerais como quartzo, feldspato e mica, possa estar incluído nas camadas geológicas do acrópole paulistana. As pistas da formação rochosas podem estar presentes nas pedras do jardim, como esta curiosa pedra com marcas verticais, provavelmente extraidas do próprio local onde se encontra.

Em 1912 os imigrantes japoneses passaram a residir na rua Conde de Sarzedas, ladeira íngreme, onde na parte baixa havia um riacho e uma área de mangue.

Um dos motivos de procurarem essa rua é que quase todas tinha porões, e os aluguéis dos quartos no subsolo eram incrivelmente baratos. Nesses quartos moravam apenas grupos de pessoas. Para aqueles imigrantes, aquele cantinho da cidade de São Paulo significava esperança por dias melhores. Por ser um bairro central, de lá poderiam se locomover facilmente para os locais de trabalho.

Já nessa época começaram a surgir as atividades comerciais: uma hospedaria, um empório, uma casa que fabricava tofu (queijo de soja), outra que fabricava manju (doce japonês) e também firmas agenciadoras de empregos, formando assim a “rua dos japoneses”.

Em 1915 foi fundada a Taisho Shogakko (Escola Primária Taisho), que ajudou na educação dos filhos de japoneses, então em número aproximado de 300 pessoas.Em 23 de julho de 1953, Yoshikazu Tanaka inaugurou na rua Galvão Bueno um prédio de 5 andares, com salão, restaurante, hotel e uma grande sala de projeção no andar térreo, para 1.500 espectadores, batizado de Cine Niterói. Eram exibidos semanalmente filmes diferentes produzidos no Japão, para o entretenimento dos japoneses de São Paulo.

A rua Galvão Bueno passa a ser o centro do bairro japonês,  crescendo ao redor do Cine Niterói, Em abril de 1964 foi inaugurado o prédio da Associação Cultural Japonesa de São Paulo (Bunkyô) na esquina das ruas São Joaquim e Galvão Bueno.Em 1965 foi fundada a Associação de Confraternização dos Lojistas do Bairro da Liberdade, precursora da Associação Cultural e Assistencial da Liberdade – ACAL, sob a presidência de Yoshikazu Tanaka, para defender os interesses do bairro perante as autoridades municipais e estaduais. Com a crescente criminalidade do bairro, promovem encontro com os responsáveis pela Secretaria de Segurança Pública, Polícias Civil e Militar.

O Torii da Liberdade serve como um portal para a principal região geomâtica da cultura Tupi, da qual partiam vários peabirus, antigas trilhas que conectavam todo o Brasil. LOCAL ONDE LUIZ PAGANO DESENVOLVEU O CAUIM TIAKAU - No local onde é hoje a rua Tabatinguera, existiram as aldeias de Caiubi e Tibiriçá, o lar dos nossos povos originários e seguindo um pouco mais ao sul, nos deparávamos com o Morro Careca do Inhapuambuçu, que estendia-se desde a Praça da Liberdade, que no século 17 foi conhecida como Morro da Forca, até a área onde agora encontramos oJardim Japonês e o Torii da Liberdade. O Inhapuambuçu é um local sagrado para indígenas, afro-brasileiros, descendentes de europeus e japoneses, abrangendo praticamente todas as etnias que compõem o povo brasileiro. Foi palco de rituais e celebrações em honra aos espíritos da terra e dos antigos povos originários, aos seus pés a leste repousaram escravos no antigo Cemitério dos Aflitos, marcando um capítulo sombrio da herança cultural da região, bem como serviu debase para a rica cultura cafeeira que proporcionou a riqueza de São Paulo entre os séculos 17 e 20. Hoje o local ainda é mais enriquecido pela influência japonesa, como evidenciado pelo Torii e o Jardim Japonês.

A Liberdade passa a ser o local de visita obrigatória para todos os visitantes da cidade. Em 1967, o bairro recebeu a visita do então Príncipe Herdeiro Akihito e da Princesa Michiko, hoje o Casal Imperial do Japão.

O ano de 1968 marca o início das mudanças significativas na Liberdade. A construção da Diametral Leste-Oeste forçou o Cine Niterói, um dos marcos da prosperidade do bairro, a mudar-se para outra localização, a rua Conselheiro Furtado, que era estreita, foi alargada, diminuindo a força comercial do local. Com a construção da estação Liberdade do metrô na década de 70, alguns pontos comerciais das ruas Galvão Bueno e da Avenida Liberdade também desapareceram.

Em julho de 1941 região teve outro momento triste importante quando eclodiu a Segunda Guerra Mundial. O governo brasileiro ordenou a suspensão da publicação de jornais em língua japonesa, o que afetou a comunidade japonesa estabelecida na área, e em 1942, com o início da guerra no Pacífico, o governo de Getúlio Vargas rompeu relações diplomáticas com o Japão, resultando no fechamento do Consulado Geral do Japão em São Paulo. 

Em 6 de setembro de 1942 a situação atingiu seu ápice quando o governo decretou a expulsão dos japoneses que residiam nas ruas Conde de Sarzedas e Estudantes, alterando profundamente a dinâmica da região.

Somente em 1945, após a rendição do Japão, é que a situação voltou à normalidade na região.

A Liberdade passa a ser o local de visita obrigatória para todos os visitantes da cidade. Em 1967, o bairro recebeu a visita do então Príncipe Herdeiro Akihito e da Princesa Michiko, hoje o Casal Imperial do Japão.
 
Em 23 de julho de 1953, Yoshikazu Tanaka inaugurou na rua Galvão Bueno um prédio de 5 andares, com salão, restaurante, hotel e uma grande sala de projeção no andar térreo, para 1.500 espectadores, batizado de Cine Niterói. Eram exibidos semanalmente filmes diferentes produzidos no Japão, para o entretenimento dos japoneses de São Paulo.
 
Hoje ainda pode-se encontrar este mirante no Jardim Oriental. O Inhapuambuçu, significa “morro que se vê ao longe” em Tupi Antigo. É uma pena que a vegetação local e as construções de prédios, bem como as modificações causadas pelas terraplanagens, tenham feito Inhapumbucu perder a antiga 'bela vista' voltada para o Bixiga, que teve no passado - talvez daí o nome Bela Vista para Brairro do Bixiga.

A rua Galvão Bueno passa a ser o centro do bairro japonês, crescendo ao redor do Cine Niterói, tendo recebido parte dos comerciantes expulsos da rua Conde de Sarzedas. Era ali que os japoneses podiam encontrar um cantinho do Japão e matar saudades da terra natal. Na sua época áurea, funcionavam na região os cines Niterói, Nippon (na rua Santa Luzia – atual sede da Associação Aichi Kenjin kai), Jóia (na praça Carlos Gomes – hoje igreja evangélica) e Tokyo (rua São Joaquim – também igreja).

Em abril de 1964 foi inaugurado o prédio da Associação Cultural Japonesa de São Paulo (Bunkyô) na esquina das ruas São Joaquim e Galvão Bueno.

Em 1965 foi fundada a Associação de Confraternização dos Lojistas do Bairro da Liberdade, precursora da Associação Cultural e Assistencial da Liberdade – ACAL, sob a presidência de Yoshikazu Tanaka, para defender os interesses do bairro perante as autoridades municipais e estaduais. Com a crescente criminalidade do bairro, promovem encontro com os responsáveis pela Secretaria de Segurança Pública, Polícias Civil e Militar.

A Liberdade passa a ser o local de visita obrigatória para todos os visitantes da cidade. Em 1967, o bairro recebeu a visita do então Príncipe Herdeiro Akihito e da Princesa Michiko, hoje o Casal Imperial do Japão.

Na década de 60, as atividades e os interesses dos japoneses em São Paulo foram conduzidas pela Associação Cultural Japonesa (hoje Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa) e pela Associação dos Lojistas, pois eram as duas entidades mais representativas da comunidade.

O ano de 1968 representou o início das mudanças no bairro. A Diametral Leste-Oeste obrigou o cine Niterói, marco inicial da prosperidade do bairro, a se mudar para a esquina da avenida Liberdade com a rua Barão de Iguape (atualmente funciona no local o Hotel Barão Lu). A rua Conselheiro Furtado, que era estreita, foi alargada, diminuindo a força comercial do local. Além disso, com a construção da estação Liberdade do metrô, na década de 70, alguns pontos comerciais das ruas Galvão Bueno e na Avenida Liberdade desapareceram.

O Torii da liberdade, inaugrado erguido em 1974 pela associação de logistas 鳥居 é um símbolo icônico da cultura japonesa com profundo significado espiritual e simbolismo. Ele é frequentemente visto nas entradas de santuários xintoístas e também em alguns templos budistas no Japão. Em sua escrita o 鳥 (Tori): Esta parte do ideograma significa "pássaro", refere-se a algo que voa no céu, simboliza a ligação entre o mundo terreno e o mundo espiritual, e 居 (I) significa "estar" ou "existir". Juntos, "Tori" e "I" formam a palavra "Torii", que pode ser traduzida como "portal onde os deuses estão presentes". Em resumo, o Torii representa a transição do mundo humano para o mundo espiritual, marcando a entrada para um espaço sagrado, onde os deuses podem ser encontrados. 

Um dos marcos mais emblemáticos na história da Liberdade ocorreu em 1974, quando uma reforma significativa transformou a área, culminando na instalação do Torii, um portal japonês que marca a entrada do bairro e o Jardim Oriental sobre a Pedra Careca, que adicionou uma dimensão espiritual e estética à região.

Minha antiga Relação com o Inhapuambuçu

Minha avó, a Dona Zuzu, filha de Manoel Correa de Moraes, nasceu na região de Ihapaumbuçu - Manoel de 1855 era filho de Antonio Correa de Moraes e Francisca Correia de Moraes, foi um dos primeiros Comissários do Café na cidade de São Paulo Financiamento, armazenamento e vendendo o café.

Não se sabe ao certo a data de nascimento, porém sabe-se que faleceu em 8 de novembro de 1920 e seu corpo foi sepultado no Cemitério da Consolação Rua 11 LE, sepultura 42, adquirido por seu pai Antonio em 7 de junho de 1881.

Casarão da Rua da Gloria de Manoel Correa de Moraes (a direita)  onde
Zuzu  nasceu e passou sua infancia ao lado dos 5 irmãos 

Manoel morava no famoso Casarão da Rua da Glória número 4, de lá comandava as atividades pertinentes ao cargo de Comissário do Café. Fazendo a ponte entre a fazenda e o consumidor final, o café passou por uma série de etapas, mudando diversas vezes de mãos.

Egrégora espiritual do Povo Brasileiro

Apedra careca do Inhapumabuçu, hoje Jardim Oriental, é hoje um importante ponto de conexão com os ancestrais Tupis, os primeiros habitantes da região, que ali celebravam suas crenças, honrando os espíritos da terra e dos antigos, dos africanos escravizados, quado essa região testemunhou a mairo tristeza historica brasileira, acarretando uma transformação espiritual significativa. 

Inspirado nas energias espirituais da Liberdade, proximo ao Inhapuanbuçu,  fiz há algum tempo, essa ilustração misturando elementos espirituais que formam o Brasil, como se fossem feitas por Hayao Miyazaki (宮崎 駿), co fundador do Studio Ghibli. Na imagem vemos o gigante Anhangá que habita as matas do Anhangabaú, ali próximo, Curupira e o Saci caminhando atrás de uma mulher encarnada, as bolas de fuligem, inevitáveis na cidade de São Paulo, Ootori Sama e o Espírito do Rabanete observando o santo homem do bairro, Chaguinhas. As lanternas japonesas suzurantou, com sua iluminação suave, convidam à contemplação e à meditação. Elas são um símbolo da luz que guia o caminho espiritual. Além disso, o brasão mitsudomoe, que adorna várias partes do jardim, é um emblema que tem raízes profundas na cultura japonesa e pode ter várias interpretações, incluindo a representação do ciclo da vida, morte e renascimento.

Os africanos trouxeram consigo suas tradições espirituais, como o candomblé e a umbanda, e incorporaram essas crenças à terra que pisavam. É curioso ver a grande quantidade de centros espíritas, de coandombé e Umbanda que se formaram na região desde o Largo da Forca até a Vila Mariana, local onde africanos e afro-brasileiros se reuniam para celebrar suas festividades religiosas, tornando-o um ponto vital da herança espiritual afro-brasileira.

E a migração da energia espiritual não parou por aí, com a chegada dos primeiros imigrantes japoneses na virada do século 20, a área viveu outra enorme mudança espiritual, os japoneses trouxeram consigo o xintoísmo e o budismo, enriquecendo ainda mais a tapeçaria espiritual da Liberdade. - O  Largo da Forca, outrora palco de punições, transformou-se em um local onde se ergueu um Torii majestoso, símbolo de entrada e transição entre o mundo material e espiritual.

Hoje, a região da Pedra Careca do Inhapuambuçu abriga um deslumbrante jardim japonês, com carpas nadando de forma serena sob lanternas orientais. É aqui que todas essas energias espirituais convergem e se misturam, a migração de crenças e tradições, da espiritualidade Tupi à africana e à japonesa, transformou este lugar na área de maior egrégora espiritual na formação do povo brasileiro, é um testemunho da capacidade humana de se adaptar, aprender e crescer espiritualmente, refletindo a diversidade e a riqueza cultural do Brasil.

Referências Blilbiográficas

ANTONIL, André João. Cultura e opulência do Brasil. 3. ed. Belo Horizonte : Itatiaia/Edusp, 1982. (Coleção Reconquista do Brasil). Disponível em: <http://www.bibvirt.futuro.usp.br>. Acesso em: 20/07/2012.
ANCHIETA, José de. Arte de Grammatica da lingoa mais usada na costa do Brasil. Coimbra: Antonio de Mariz, 1595. Disponível em: < http://www .brasiliana.usp. br/bbd/handle/1918/00059200#page /1/mode/1up>. Acesso em: 18/01/2013.
Anchieta, José de. Cartas, Informações, Fragmentos Históricos e Sermões do Padre Joseph de Anchieta, S,I. (1554-1594). Rio de Janeiro: Publicações da Academia Brasileira - Coleção Afranio Peixoto, 1933. Disponível em: <http://www.brasiliana.usp .br/bbd/handle/1918/00381630>. Acesso em: 19/01/2013.
ANCHIETA, José de. Arte de Grammatica da lingoa mais usada na costa do Brasil. Coimbra: Antonio de Mariz, 1595. Disponível em: < http://www .brasiliana.usp. br/bbd/handle/1918/00059200#page /1/mode/1up>. Acesso em: 18/01/2013.
Anchieta, José de. Cartas, Informações, Fragmentos Históricos e Sermões do Padre Joseph de Anchieta, S,I. (1554-1594). Rio de Janeiro: Publicações da Academia Brasileira - Coleção Afranio Peixoto, 1933. Disponível em: <http://www.brasiliana.usp .br/bbd/handle/1918/00381630>. Acesso em: 19/01/2013.
ANCHIETA, José de. Arte de Grammatica da lingoa mais usada na costa do Brasil. Coimbra: Antonio de Mariz, 1595. Disponível em: < http://www .brasiliana.usp. br/bbd/handle/1918/00059200#page /1/mode/1up>. Acesso em: 18/01/2013.
Anchieta, José de. Cartas, Informações, Fragmentos Históricos e Sermões do Padre Joseph de Anchieta, S,I. (1554-1594). Rio de Janeiro: Publicações da Academia Brasileira - Coleção Afranio Peixoto, 1933. Disponível em: <http://www.brasiliana.usp .br/bbd/handle/1918/00381630>. Acesso em: 19/01/2013.
ANCHEITA,José de. Carta ao Padre Diogo Laines, 16 de abril de 1563, Cap, pg. 194
BELLOTTO, Heloísa Liberalli. Autoridade e conflito no Brasil colonial: o governo do Morgado de Mateus em São Paulo: 1765-1775. São Paulo: Conselho Estadual de Artes e Ciências Humanas, 1979.
CÂMARA, Marcos P. de Arruda. Exclusão espacial nas cidades coloniais. Anais: Seminário de História da Cidade e do Urbanismo, v. 4, n. 3, p. 584-601, 2012. Disponível em: < http://www.anpur.org.br/revista/rbeur/index.php /shcu/article/download/469/445>. Acesso em: 20/05/2013
FERREIRA, Flavio. Cidades coloniais brasileiras e espanholas na América: uma abordagem comparativa. Anais: Seminário de História da Cidade e do Urbanismo, v. 4, n. 3, p. 557-562, 2012. Disponível em: < http://www.anpur.org.br/ revista/rbeur/index.php/shcu/article/download/466/442>. Acesso em: 15/04/2013.
FLEXOR, Maria Helena Ochi. Os terreiros das aldeias indígenas jesuíticas. Anais: Seminário de História da Cidade e do Urbanismo, v. 9, n. 2, 2012. Disponível em: < http://www.anpur.org.br/revista/rbeur/index.php/shcu/article/view/1133>. Acesso em: 15/04/2013.
HOLANDA, Sérgio Buarque de. Caminhos do Sertão. In Revista de História. São Paulo, no54:69 – III, 1964.
LONDOÑO, Fernando Torres. Escrevendo cartas. Jesuítas, escrita e missão no século XVI. Revista brasileira de História, v. 22, n. 43, p. 11-32, 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/%0D/rbh/v22n43/10908.pdf>. Acesso em: 08/06/2013.
LUÍS, Washington. Na capitania de São Vicente. Brasília: Senado Federal, Conselho Editorial, 2004. 410 p. -- (Edições do Senado Federal; v. 24).
MACEDO, José Rivair. Org. Os Estudos Medievais no Brasil. Catálogo de Dissertações e Teses: Filosofia, História, Letras, (1990-2002) disponível: <www.abrem. org.br copiar.php arquivo=CatalogoTeses.pdf>. Acesso em: 05/05/2013.
MONTEIRO, Jphn Manuel, Negros da Terra: Índios e Bandeirantes nas Origens de São Paulo, Companhia das Letras, 1994, P. 194
REIS FILHO, Nestor Goulart dos. Imagens de vilas e cidades do Brasil Colonial.
São Paulo: FAUUSP/ IPHAN, 2000.
REIS, P. P. dos. O Caminho novo da Piedade no nordeste da Capitania de São
Paulo. São Paulo: Conselho Estadual de Cultura, 1971. p.195
SAMAPHISTORICA.wordpress.com/2016/02/03/memorias-do-sr-takeda-e-do-itororo/
WERNET, Augusto. Vida Religiosa em São Paulo: do Colégio dos jesuítas à diversificação de cultos e crenças (1554-1954). In: PORTA, Paula (Org.). História da Cidade de São Paulo, v:1: a cidade colonial. São Paulo: Paz e Terra, 2004. Pags. 191-216.
WILLEKE, Venâncio. Missões Franciscanas no Brasil (1500-1975). Petrópolis: Vozes, 1974.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Tibiriçá, João Ramalho, e Anchieta - Amigos que Fundaram São Paulo

  Aqui uma cena de antes da chegada dos portugueses, na qual o pajé celebra um ritual de guerra enquanto Tibirçá e Potira jantam e bebem Cau...