terça-feira, 28 de maio de 2024

Pátio do Colégio: Dez Vezes Demolido e Onze Vezes Reconstruído



Pátio do Colégio em 2023

A história de São Paulo é um percurso de notável transformação, que partiu de uma humilde cabana, chamada de "Paupércula Domo" pelo padre jesuíta Anchieta, até ser transformada no Pátio do Colégio, construção icônica que marca o ponto central das crenças e valores da cidade.

Para descrever a acrópole paulista, o entorno e a construção da casa que viria a ser o Pátio do Colégio, ninguém melhor que o próprio padre Anchieta, no livro de Celso Vieira:

"...Erguido pelos índios, o pouso dos jesuítas era uma cabana minúscula, feita de táipa, e coberta de colmo, um tecto imperceptível na lomba do planalto que, entre os ribeiros Tamanduateí e Anhangabaú, se configurava em cidadela triangular, cujos bastiões fossem escarpas. Do viso dessa acrópole rude preeminência de vinte e cinco a trinta metros, desvendava-se todo o horizonte, a várzea dilatada, o curso do Tietê, subindo e srpeando, as veredas transitáveis não abriam mais de quatro portas à cidadela - duas ao norte, duas ao sul, vigiadas as primeiras, no vértice do triângulo, pela fôrça de Tibiriçá (o pripcipal Martin Affonso), defendidas as segundas, na base, pela gente de Caiubi, velho e fiel cacique. 

Olhos d'água brotavam pelas encostas, pelos barrancos de schisto e grez entre os morros contíguos, perdia-se o cabeço dominante na espessura da mata virgem, sob névoas; 

Ao poente, verdejavam terras umbrosas de caça e fruto com os ,seus pinheirais, as suas colméias, bandos de garças róseas ou níveas à orla das lagoas.

O abrigo dos religiosos media quatorze passos de comprimento por dez ou doze de largura: tinham eles aí, conjuntamente, igreja, escola, dormitório, enfermaria, refeitório, casinha e dispensa. Mas não invejavam a pompa dos castelos reais, lembrando que um estábulo fora bastante à divindade infantil de Jesus, um crucifixo à redenção do mundo. Logo depois, com auxílio dos irmãos e dos íncolas, o padre Afonso Braz encetou, dirigiu a construção do colégio e do tempio, arquitectura lavrada em pedra vermelha de limonito. No dia de Todos os Santos, em 1556, os jesuítas inauguraram processionalmente a sua nova igreja.

E à sombra do templo, confiantes, já se aglomeravam as casas de táipa dos indígenas. Durante a, noite, como se .abrigassem nessa estreiteza e penúria vinte homens ou mais, entrechocavamse as redes suspensas do travejamento. Sem agasalho, os irmãos regelados tiritavam sob a invernibrava, entorpecidos já pelo sono, ou se comprimiam, aquecendo-se uns aos outros, macilentos na sua roupeta, derredor do braseiro escassamente nutrido". 


Paupercula Domo 1553

Contrariando as ordens da Coroa Portuguesa, Anchieta juntamente com os Jesuítas decidiram ampliar as fronteiras culturais e geográficas, estabelecendo amizade com os Tupis e subindo a Serra do Mar, criando assim uma péssima relação com os colonizadores, numa birra que duraria por mais de 200 anos.  

Nesse ponto é importante dizer que a princípio, os jesuítas desempenhavam um pequeno papel como braço religioso dentro do projeto de colonização portuguesa, mas que, no entanto, acabou crescendo e tomando proporções que masi tarde gerariam conflitos com a coroa, a ponto de serem expulsos no século XVIII. Porém, os chamados "cientistas de batina preta" tiveram importante papel na preservação da cultura, na codificação da língua Tupi e com as mais detalhadas anotações de animais, plantas e todas as outras riquezas materiais aqui encontradas.

O Pátio do Colégio foi o centro desses estudos e doutrinas feitos pelos jesuítas, tem sido testemunha e protagonista de séculos de história, desde os humildes primordios, quando Anchieta decidiu reunir na Paupércula Domo os 50 catecúmenos, indígenas convertidos, prontos para serem batizados, a fundação da Vila de São Paulo de Piratininga, a consagração do Colégio em 1556 até a acolhida dos moradores da Vila de Santo André da Borda do Campo em 1560, até os dias de hoje, palco dos mais importantes eventos cosmoplitas que a cidade haveria de ter.

Hoje, São Paulo ergue-se como a maior cidade da América Latina, um centro cosmopolita de inovação, diversidade e dinamismo, em seu coração, o Pátio do Colégio permanece como um símbolo da resiliência e da determinação da cidade em preservar sua história, de se reinventar e prosperar ao longo dos séculos.

A Acrópole do Inhapuambuçu: O Início de Tudo

A geografia do local teve um papel fundamental na história e no desenvolvimento de São Paulo, os povos Tupi semi-nômades decidiram se estabelecer na acrópole de Inhapuambuçu (local elevado em Tupi antigo) por ser esta a região mais importante da época. Era um verdadeiro hub logístico, com rios navegáveis que levavam a todo o continente como auto estradas,  e com peabirus, comparados as nossas ruas e avenidas, estrategicamente localizada no topo de uma planície inundada, que também funcionava como um forte, cercado de fossos repletos de jacarés, presentes no imaginário criativo da Idade Média.

Além de 'forte e hub', a colina também servia como 'catedral', a terra dos mortos e dos vivos, com vários cemitérios indígenas tinha seu ponto central na pedra de Itacerá, a pedra atingida por um raio, marcada pelo Deus Tupã como solo sagrado.

No início, quando se cogitava apenas da criação de uma simples aldeia de indígenas convertidos, os nativos desempenharam um papel crucial na escolha do local. O famoso Peabiru Central, uma importante via de comunicação pré-colombiana ligava a costa atlântica à Mesopotâmia paraguaia e ia alem, até a rica civilização peruana, na trilha chamada de Caminho de São Tomé pelos jesuítas, que desempenhou um papel vital no movimento dos conquistadores e na expansão para o interior do continente.

No que diz respeito às motivações políticas e econômicas, o deslocamento da linha demarcatória do Tratado de Tordesilhas para o Ocidente alimentava a crença de que Assunção, cidade espanhola situada no caminho para o Peru, poderia cair sob controle português, incentivou a penetração lusa na região e intensificou o fluxo de aventureiros e comerciantes entre São Vicente e o Paraguai.

A Geografia de São Paulo

O centro de São Paulo está localizado em uma região que possui solos predominantemente sedimentares, compostos por diversas camadas geológicas. A leste da acrópole está a Várzea do Carmo, uma vasta planície alagável que se estende entre os dois rios, que desempenhou um papel vital na história da cidade, servindo como autoestrada fluvial para os Tupis, bem como ponto de trocas comerciais e atividades agrícolas desde os primeiros tempos de colonização. A Várzea do Carmo foi fundamental para o desenvolvimento econômico e social de São Paulo, servindo como um espaço de intercâmbio cultural e econômico entre colonos, indígenas e escravos.


Visualização Topográfica da Acrópole de São Paulo em 1560

Naquela época os relevos naturais ainda estavam intactos, com destaque para o Morro da Forca, hoje Praça da Liberdade, conhecido como Inhapuambuçu pelos Tupis locais. 

No século XIX o material retirado desse morro foi utilizado para aterrar a várzea do Carmo, modificando profundamente a paisagem. Além disso, o Rio Tamanduateí era tão exuberante naquela época que até abrigava um porto, utilizado tanto pelos Tupis quanto pelos portugueses. Atualmente, esse rio está canalizado e a área onde se localizava o porto é conhecida como Ladeira Porto Geral.

...o mesmo trecho da cidade em 2009 - Hoje canalizamos os rios, aterramos a várzea e nivelamos o morro de Inhapumbuçu. Mudamos tudo e com tantos edifícios mal percebemos que o centro foi tirado.

Vários rios desaguavam no Anhangabaú, como o Itororó (hoje Avenida 23 de Maio passa por cima dele) e o Saracura, agora canalizado sob a Avenida 9 de Julho, além da pouco conhecida nascente de Santa Ifigênia, de águas estremamente ácidas e deixava as águas do córrego Anhangabaú intragáveis e não potáveis. No século XVII, a região era chamada de Iacuba, originada do ribeiro que nascia no atual Largo do Paissandu, onde se encontravam as águas da nascente da Rua Brigadeiro Tobias. Ao longo dos anos, o nome foi abreviado para Iacum-Guaçu e Acu.

O primeiro portugueses a chegar ao planalto de Piratininga não foi nenhum dos jesuítas, más sim o misterioso João Ramalho, 'o cara pálida', 'o juruá'(rosto peludo em Tupi) que se transformou em indígena, o primeiro branco a habitar o planalto, junto a seu sogro, Tibiriçá, o Vigilante da Terra, Morubixaba , principal líder Tupi, e que se aliou primeiro ao próprio Ramalho (dando-lhe como esposa a filha Bartira), em data estimada perto de 1532 e, quase vinte anos antes da chegada dos jesuítas em 1552.

Luiz César de Menezes, governador do Rio de Janeiro, mandava dizer a D. Pedro II (1691): – “Os moradores de São Paulo vivem como quase à lei da natureza e não guardam mais ordens que aquela que convém a sua conveniência...” Era voz geral!

O Seculo XVII - Expansão com Hub em São Paulo

Durante o século XVII, São Paulo era uma vila de pequeno porte, caracterizada por uma população dispersa e uma economia agrária baseada predominantemente na agricultura de subsistência.

Desde as primeiras concessões de terras, conhecidas como sesmarias, atribuídas por Martim Afonso de Souza em 1532, até as últimas em 1822, a ocupação e exploração do território brasileiro expandiram-se consideravelmente, impulsionadas pelo movimento das Bandeiras originadas em São Paulo.

Essas concessões não apenas refletiam as relações de poder entre as autoridades locais e metropolitanas, mas também destacavam a diversidade dos beneficiários, que incluíam membros da nobreza real, capitães-mores, governadores e até mesmo residentes comuns. As mudanças nas condições das concessões ao longo do tempo, como prazos para uso das terras e obrigações de pagamento de tributos, evidenciam as transformações sociais e econômicas ocorridas na região ao longo dos séculos.

As bandeiras, partindo da vila de São Paulo com exploradores conhecidos como "paulistas", tinham como objetivo explorar o interior do país em busca de recursos naturais, como ouro e prata, e capturar escravos pelo caminho, tanto indígenas quanto africanos, num processo conhecido como "apresamento".

Com a desorganização do tráfico de escravos africanos devido à ocupação holandesa no nordeste brasileiro, os paulistas voltaram sua atenção para a captura de indígenas para trabalhar nas plantações.

Más os jesuítas mais uma vez se colocava contra o projeto de colonização, conseguiram junto ao Papa Urbano VIII um Breve Papal que proibia a escravidão indígena.

Colégio dos Jesuítas - 1639

Os paulistas de Piratininga se insurgiram contra os jesuítas conflitando com os interesses dos colonos que dependiam dessa mão de obra, no litoral os jesuítas foram efetivamente expulsos da capitania de São Vicente no dia 3 de agosto de 1640 e em São Paulo, na madrugada de 13 de julho de 1640, os colonos se reuniram na praça, em frente ao prédio da Câmara, para ler a sentença contra os jesuítas e logo depois, depredaram o Colégio.

O embate entre os colonos e os jesuítas durou , más no dia dia 12 de maio de 1653, quando as coisas voltavam a se aclamar, retornaram à cidade e praticamente tiveram que reconstruir o colégio, considerando-se então esta reconstrução como a terceira igreja existente no mesmo lugar.

Os colonos e bandeirantes voltaram seu trabalo a todo vapor, percorriam pelas trilhas/peabirus e a rede fluvial dos Rios Tamanduateí-Tietê, com acesso a vastas regiões do continente, seus alvos principais eram as missões jesuíticas espanholas, onde encontravam indígenas já aculturados e considerados valiosos como mão de obra.

Entretanto, o declínio das bandeiras de apresamento teve início na segunda metade do século XVII, com a retomada do tráfico de escravos africanos e o fim da ocupação holandesa no nordeste, que restabeleceu o comércio negreiro. Gradualmente, as atividades bandeirantes foram substituídas pelo sertanismo de contrato, no qual os paulistas eram contratados para combater etnias indígenas rebeldes ou capturar negros fugitivos.

O Século XVIII - A Expulsão dos Jesuítas e Mais Uma Destruição do Colégio

Através do Alvará Régio de 28 de junho de 1759 o Marquês de Pombal, ao mesmo tempo expulsou os jesuítas de Portugal e de suas colônias, suprimindo todas as escolas e colégios jesuíticas; criou as aulas régias ou avulsas de Latim, Grego, Filosofia e Retórica, que deveriam substituir os extintos colégios jesuítas e criou a figura do “Diretor Geral dos Estudos”, para nomear e fiscalizar a ação dos professores.

O Século XIX e o Fim da Pena de Morte

Durante o governo de Florêncio de Abreu, mais precisamente em novembro de 1881, o prédio passou por sua mais importante e questionável reforma, o engenheiro francês Eusébio Stevaux decidiu modificar seu estilo colonial original para adotar os padrões europeus, o que causou muita insatisfação na construção . população.

Palácio do governo - Pátio do Colégio em 1827

Outras modificações ocorreram em 1885, quando foi proposta a adição de um pórtico com quatro colunas, concluído em 1886.

Mas o estado da igreja já era deplorável e estava desmoronando.

No entanto, as atenções saiam um pouco do Pátio do Colégio e se deslocam para o Sul, mais exatamente, no Bairro da Liberdade.

Um dos aspectos marcantes desse período foi a presença da pena de morte e as execuções por enforcamento, como o famoso caso de Chaguinhas em 20 de setembro de 1821. A forca no Morro da Liberdade tornou-se um símbolo sombrio da justiça da época, enquanto a Capela Santa Cruz das Almas dos Enforcados testemunhava os eventos trágicos ocorridos na região. 


O Século XX e Mais Destruições no Corpo e Alma Colégio

No governo de Jorge Tibiriçá, em 1907, cogitou-se demolir todo o conjunto do Pátio do Colégio para construir algo novo, mas, graças a D'us, essa ideia não se concretizou. Em 1912, com a compra do Palácio dos Campos Elíseos para ser a sede do governo, o antigo palácio passou a ser usado para despachos e recepções.

Nos anos 1920' o Pátio ganha seu mais ilustre presente, a Glória Imortal dos Fundadores de São Paulo, um monumento, criado por Amedeo Zani e inaugurado em 1925. Construído em granito e bronze, possui um pedestal de 22 metros por 12 metros e uma figura feminina no topo representando São Paulo coroando seus fundadores. 

Este monumento reforça o simbolismo do marco zero da cidade e inclui representações do período colonial, como a missa do padre Manoel de Paiva e a catequese de Padre Anchieta. Más, como sempre, houve polêmica em torno de sua construção ocorreu no contexto de um debate entre Adolfo Pinto e Ramos de Azevedo sobre a necessidade de uma obra para celebrar a influência histórica de São Paulo.

Após a questionável reforma, o Pátio do colégio passou a se chamar Palácio do governo, obra do engenheiro francês Eusébio Stevaux que decidiu modificar estilo colonial para um mais europeu.


Na década de 1930, iniciou-se outra polêmica em torno do prédio, que se encontrava em mau estado de conservação e, infelizmente, teve início sua maior demolição. O objetivo era dar lugar a um novo conjunto arquitetônico proposto pelos arquitetos Carlos Alberto Gomes Cardin Filho e Luciano Otávio Gomes Cardin. 

Más, como uma graça divina, durante a demolição, foi descoberto um grosso muro de pau-a-pique, considerado a mais antiga relíquia arquitetônica de São Paulo, que foi preservado.

O plano era ambicioso, com a construção de um prédio de 20 andares ao lado de uma réplica do que teria sido a igreja e o colégio originais, baseados em gravuras da época colonial. Felizmente, apenas parte desse projeto foi realizado, e os dois prédios das antigas Tesouraria da Fazenda e Secretaria da Agricultura sobreviveram.

Durante os anos seguintes, o prédio abrigou diversos órgãos governamentais, e em 1932 tornou-se a sede da Secretaria da Educação e Saúde Pública, permanecendo assim até sua desativação, quando o terreno foi devolvido aos jesuítas em 1953.

O bairro da Liberdade, antes conhecido por suas execuções e lendas sobre espíritos, tornou-se um símbolo de diversidade e cultura com a chegada da comunidade japonesa na década de 1910. A área passou por uma transformação significativa, refletida na presença do portal Torii vermelho e na estação de metrô Liberdade, que hoje conecta os moradores com o resto da cidade.

No ano de 1954, durante as comemorações do IV Centenário de São Paulo, toda a edificação do Pátio do Colégio foi demolida e o terreno foi cedido novamente aos jesuítas, que iniciaram um projeto de reconstrução do edifício do colégio e, em 1976, da Igreja do Bom Jesus.

A reconstrução das estruturas do Pátio do Colégio gerou polêmica. Os defensores do projeto discutiam a importância do local como um monumento histórico da fundação da cidade e como manifestação religiosa católica.

Na década de 1970, o Pátio do Colégio foi reconstruído com materiais modernos, restando apenas uma parede original de pau a pique de 1556. Felizmente, o edifício foi tombado pelo CONDEPHAT e não pode mais sofrer modificações estruturais. Ao fundo, à direita, o edifício Azevedo Villares

Em 9 de junho de 1970, o então prefeito Paulo Maluf colocou a pedra fundamental para a reconstrução, porém, durante as obras, descobriu-se uma parede original, o que gerou um contratempo. A réplica reconstruída em concreto, com telhado perfeitamente alinhado e paredes lisas, contrastava com as construções coloniais.

As obras foram iniciadas na gestão do prefeito Miguel Colassuono, que transferiu recursos para a Sociedade Brasileira de Educação (Companhia de Jesus) executar as obras, a cargo da Construtora Adolpho Lindenberg.

Apesar do pedido de tombamento da área feito pelo CONDEPHAAT em 1975, as obras continuaram. O entorno foi projetado pelo escritório de arquitetura Jorge Wilheim, e as obras iniciaram em janeiro de 1976, durante a administração do prefeito Olavo Setúbal. 


Felizmente, o tombamento pelo CONDEPHAAT impediu reformas posteriores no local.

A minha família, Correa de Moraes/Pagano Brundo, tem sua história profundamente enraizada na região central da cidade, Minha vó Zuzu Pagano nasceu na casa da Rua da Gloria No 4.

Ela e meus tios-avós testemunharam muitas dessas mudanças ao longo dos anos, meus tios-avós sempre me contavam casos sobre os fogos-fatuos dos cemitérios dos Aflitos e dos Tupis, e as energias geomânticas ancestral do Morro Calvo de Inhapuambuçu.

Blibliografia

ABREU, J. Capistrano de. Capítulos de História Colonial & Caminhos antigos e povoamento do Brasil. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 5a edição, 1963.
ANTONIL, André João. Cultura e opulência do Brasil. 3. ed. Belo Horizonte : Itatiaia/Edusp, 1982. (Coleção Reconquista do Brasil). Disponível em: <http://www.bibvirt.futuro.usp.br>. Acesso em: 20/07/2012.
ANCHIETA, José de. Arte de Grammatica da lingoa mais usada na costa do Brasil. Coimbra: Antonio de Mariz, 1595. Disponível em: < http://www .brasiliana.usp. br/bbd/handle/1918/00059200#page /1/mode/1up>. Acesso em: 18/01/2013.
Anchieta, José de. Cartas, Informações, Fragmentos Históricos e Sermões do Padre Joseph de Anchieta, S,I. (1554-1594). Rio de Janeiro: Publicações da Academia Brasileira - Coleção Afranio Peixoto, 1933. Disponível em: <http://www.brasiliana.usp .br/bbd/handle/1918/00381630>. Acesso em: 19/01/2013.
ASSIS, São Francisco de. Regra Bulada. Ordem dos Frades Menores, 1223. Disponível em: < http://www.ofmcap.org/pls/ofmcap/ consultazione.mostra_pagina?id_pagina=1972>. Acesso em: 05/06/2013.
AZEVEDO, Aroldo de. Aldeias e Aldeamentos de índios. Boletim Paulista de Geografia, 33, 1959, pp.23-40.
BELLOTTO, Heloísa Liberalli. Autoridade e conflito no Brasil colonial: o governo do Morgado de Mateus em São Paulo: 1765-1775. São Paulo: Conselho Estadual de Artes e Ciências Humanas, 1979.
BETHENCOURT, Francisco. CHAUDHURI, Kirti. História da Expansão Portuguesa; A Formação do Império (1415-1570). Navarra: Editora Temas e Debates e Autores, 1998.
BERLIOZ, J. (org.) Monges e religiosos na Idade Média. Lisboa: Terramar, 1996.
BLUTEAU, Rafael. Vocabulario Portuguez e latino. Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesus, 1712. Disponível em: <http://www.brasiliana.usp.br>. Acesso em: 15/04/2013.
142
CÂMARA, Marcos P. de Arruda. Exclusão espacial nas cidades coloniais. Anais: Seminário de História da Cidade e do Urbanismo, v. 4, n. 3, p. 584-601, 2012. Disponível em: < http://www.anpur.org.br/revista/rbeur/index.php /shcu/article/download/469/445>. Acesso em: 20/05/2013
CAIO PRADO Jr. Formação do Brasil Contemporâneo. Publifolha. São Paulo. 2000
CARTAS AVULSAS. Cartas Avulsas. Rio de Janeiro: Oficina Industrial Graphica, 1931. Disponível em: <http://www.brasiliana.usp.br/bbd/handle/1918/00381620>. Acesso em: 19/01/2013
CALIXTO, Benedicto. Capitanias Paulistas. 2. ed. revista e melhorada. São Paulo: Casa Duprat e Casa Mayença, 1927.
CHOAY, Françoise. 6. Ed. O Urbanismo: Utopias e realidades, uma antologia. São Paulo: Perspectiva. 2011.
COLAVITE, Ana Paula; BARROS, Mirian V. F. Geoprocessamento aplicado a estudos do caminho de Peabiru. Revista da ANPEGE, v. 5, p. 86-105, 2009.
CONCÍLIO DO VATICANO II. Constituições Dogmáticas. Santa Sé, 1965. Disponível em: <http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/index_po.htm>. Acesso em: 20/11/2012.
CORTESÃO, Jaime. A colonização do Brasil. Lisboa, Portugal: Portugália, 1969. CORTESÃO, Jaime. Os descobrimentos portugueses. Lisboa: Arcádia, 19-?.
CORTESÃO, Jaime. Historia do Brasil nos velhos mapas. Rio de Janeiro, RJ: Ministério das Relações Exteriores, Instituto Rio Branco, 1965.
COSTA, Lúcio. A arquitetura dos jesuítas no Brasil. Revista do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Rio de Janeiro, n. 5, p. 105-169, 1941. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1678- 53202010000200009script=sci_arttext&tlng =PT>. Acesso em: 15/04/2012.
_____________. Os Sete Povos das Missões. In: A Visão do artista – Missões 300 anos. São Paulo: Prêmio, 1997.
CUSTÓDIO, Luiz A. B. A Redução de São Miguel Arcanjo. Dissertação de Mestrado: Faculdade de Arquitetura, UFRGS, 2002.
COSTA, Célio Juvenal. A racionalidade jesuítica: civilização e organização.VII SIMPÓSIO INTERNACIONAL PROCESSO CIVILIZADOR, 2004.
DELSON, Roberta Marx. Novas vilas para o Brasil- Colônia: planejamento espacial e social no Século XVIII. Tradução e revisão Fernando de Vasconcelos
143
Pinto. Brasília: Ed. ALVA-CIORD, 1997.
DERNTL, Maria Fernanda. Método e Arte: criação urbana e organização territorial
na capitania de São Paulo, 1765-1811. Tese de Doutorado: FAU-USP, 2010.
FACCIO, Neide Barrocá. A Aldeia Carapicuíba e sua resolução de tombamento. Revista Tópos, V.4, n. 2, p. 60-108, 2010. Disponível em: < http://revista.fct.unesp.br/index.php/topos/article/view/2255>. Acesso em: 20/07/2013.
FERREIRA, Flavio. Cidades coloniais brasileiras e espanholas na América: uma abordagem comparativa. Anais: Seminário de História da Cidade e do Urbanismo, v. 4, n. 3, p. 557-562, 2012. Disponível em: < http://www.anpur.org.br/ revista/rbeur/index.php/shcu/article/download/466/442>. Acesso em: 15/04/2013.
FLEXOR, Maria Helena Ochi. Os terreiros das aldeias indígenas jesuíticas. Anais: Seminário de História da Cidade e do Urbanismo, v. 9, n. 2, 2012. Disponível em: < http://www.anpur.org.br/revista/rbeur/index.php/shcu/article/view/1133>. Acesso em: 15/04/2013.
HOLANDA, Sérgio Buarque de. Caminhos do Sertão. In Revista de História. São Paulo, no54:69 – III, 1964.
HOORNAERT, Eduardo et all. História da Igreja no Brasil: Primeira época – Peíodo Colonial. Petrópolis: Vozes, 2002.
IGLESIAS, Tania Conceição. A experiência educativa da ordem franciscana: aplicação na América e sua influência no Brasil Colonial. Tese de Doutorado: Universidade Estadual de Campinas, 2010.
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICAS. Mapas Mudos: Brasil. IBGE, c2014. Disponível em: <http://mapas.ibge.gov.br/escolares/mapas- mudos>. Acesso em: 10 jul. 2013.
IRIARTE, Lázaro. História Franciscana. Petrópolis: Vozes/Cefepal, 1985.
KEHL, Luis Augusto B. Simbolismo e Profecia na fundação de São Paulo. São
Paulo: Editora Terceiro Nome, 2005.
KERN, Arno A. Missões, uma Utopia Política. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1982.
_____________. Do pré-urbano ao urbano: a cidade missioneira colonial e seu território. In: ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE HISTÓRIA – ANPUH, 24., 2007, São Leopoldo.
LE GOFF, Jacques; FRANCO CARDINI, Florentino. O homem medieval. Lisboa: Presença, 1989.
LE GOFF, Jacques; LE ROY LADURIE, Emmanuel. A nova história. Rio de
144
Janeiro, RJ: Edições 70, 1989.
LEITE, Serafim. Cartas dos primeiros jesuítas do Brasil. São Paulo, Comissão do IV Centenário, 1954, 3v.
LEITE, Serafim. Historia da Companhia de Jesus no Brasil. Lisboa: Portugalia; Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1938, Tomo I.
LEITE, Serafim. Historia da Companhia de Jesus no Brasil. Lisboa: Portugalia; Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1938, Tomo II.
LEITE, Serafim. Historia da Companhia de Jesus no Brasil. Lisboa: Portugalia; Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1945, Tomo VI.
LIMA JUNIOR, Luís Fernando. Marcha à paulista: a expansão da colonização portuguesa do sertão do alto Tietê para o vale do Paraíba (1530-1660). Revista Ciencias Humanas, UNITAU, vol. 3, n. 1, 2010.
LYRA, Sophia A. São Francisco de Assis e o Brasil. Rio de Janeiro: José Olympio, 1978.
LONDOÑO, Fernando Torres. Escrevendo cartas. Jesuítas, escrita e missão no século XVI. Revista brasileira de História, v. 22, n. 43, p. 11-32, 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/%0D/rbh/v22n43/10908.pdf>. Acesso em: 08/06/2013.
LUÍS, Washington. Na capitania de São Vicente. Brasília: Senado Federal, Conselho Editorial, 2004. 410 p. -- (Edições do Senado Federal; v. 24).
MACEDO, José Rivair. Org. Os Estudos Medievais no Brasil. Catálogo de Dissertações e Teses: Filosofia, História, Letras, (1990-2002) disponível: <www.abrem. org.br copiar.php arquivo=CatalogoTeses.pdf>. Acesso em: 05/05/2013.
MARQUES, José. A pregação em Portugal na Idade Média : alguns aspectos. Porto : Universidade do Porto. Faculdade de Letras2002. Disponível em: < http://hdl.handle.net/10216/8341>. Acesso em: 22/04/2013.
MARX, M. Cidade Brasileira. São Paulo: Melhoramentos, Ed. Da Universidade de São Paulo, 1980.
MARX, M. Nosso Chão: do Sagrado ao Profano. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1988.
145
MENEZES, Maria C. Pereira de. Políticas da Coroa Espanhola frente à presença indígena na conquista da América. Ameríndia, Ceará, V. 02, n. 1, 2006.
MENDONÇA, Regina K. R. Santos de. Escravidão indígena no Vale do Paraíba: exploração e conquista dos sertões da capitania de Nossa Senhora da Conceição de Itanhaém, século XVII. Dissertação de Mestrado: FFLCH-USP, 2009.
MÜLLER, Nice Lecocq. O fato urbano na bacia do Rio Paraíba. Rio de Janeiro: IBGE Divisão Cultural, 1969.
NÓBREGA, Manoel da. Cartas do Brasil, Padre Manoel da Nóbrega. Rio de Janeiro: Oficina Industrial Graphica, 1931. Disponível em: < http://www.brasiliana.usp .br/bbd/handle/1918/00381610#page/1/mode/1up >. Acesso em: 19/01/2013
OLIVEIRA, João Pacheco de; FREIRE, Carlos A. da Rocha. A presença Indígena na formação do Brasil. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade; LACED/Museu Nacional, 2006.
PASIN, J. L. Algumas notas para a história do Vale do Paraíba (Desbravamento e Povoamento). São Paulo: Conselho Estadual de Cultura, 1977. 45p.
PETRONE, Pasquale. Aldeamentos paulistas. São Paulo: Edusp, 1995. PIERRARD, Pierre. História da igreja. São Paulo: Paulus, 1982.
PRADO JR, Caio. A cidade de São Paulo: geografia e história. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 1998.
REBOIRAS, Fernando Domínguez. A Espanha Medieval, Fronteira da Cristandade Universität Freiburg: RaimundusLullus-Institut. Trad. L. Jean Lauand. 2000. Disponível em: < http://www.hottopos.com/isle12/57-68Reboiras.pdf >. Acesso em: 20/04/2013.
REIS FILHO, N.G. Evolução urbana do Brasil 1500-1720. Ed. Pini, 2001
REIS FILHO, Nestor Goulart dos. Imagens de vilas e cidades do Brasil Colonial.
São Paulo: FAUUSP/ IPHAN, 2000.
REIS, P. P. dos. O Caminho novo da Piedade no nordeste da Capitania de São
Paulo. São Paulo: Conselho Estadual de Cultura, 1971. 195p.
REIS, Paulo Pereira dos. O indígena do Vale do Paraíba. São Paulo: Governo do
Estado, 1979. 195p. Vol. XVI.
RÖWER O.F.M., Frei Basílio. Os Franciscanos no Sul do Brasil. Petrópolis: Vozes, 1944.
RÖWER O.F.M., Frei Basílio. Páginas de história franciscana no Brasil. Petrópolis: Editora Vozes LTDA, 1941.
146
RUCQOUI, Adeline. História Medieval da Península Ibérica. Lisboa: Editorial Estampa, 1995.
SANTOS, P. F. Formação de cidades no Brasil Colonial. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ/Iphan, 2008.
SILVA TOYSHIMA, Ana Maria da; MONTAGNOLI, Gilmar A.; COSTA, Célio Juvenal. Algumas considerações sobre o ratio studiorum e a organização da educação nos colégios jesuíticos. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL PROCESSOS CIVILIZADORES, 14, 2012, Londrina-PR. Disponível em: < http://www.uel.br/grupo- estudo/processoscivilizadores/portugues/sitesanais/anais14/arquivos/comunicaca o_oral.html>. Acesso em: 15/04/2013.
JUNIOR, José Geraldo Simões. Os paradigmas urbanísticos da colonização portuguesa e espanhola na América. Anais: Seminário de História da Cidade e do Urbanismo, v. 8, n. 2, 2012. Disponível em: <http://www.anpur.org.br/revista/rbeur/ index.php/shcu/article/view/973>. Acesso em: 30/02/2013.
SIQUEIRA, Sonia A. A presença da inquisição no Vale do Paraíba. Taubaté: Instituto de Estudos Brasileiros-UNITAU, 1978. 99 p.
TETTEROO, Samuel. A Ordem dos Frades Menores no Brasil: Resumo Histórico Chronologico 1500-1924. São João Del Rei: TYP. Acção Social, 1924.
TOLEDO, Cézar de A. Arnaut; RUCKSTADTER, Flávio M. Martins. Estrutura e organização das Constituições dos jesuítas. Revista Acta Scientiarum, Maringá, v. 24, n. 1, p. 103-113, 2002. Disponível em: < http://eduem.uem.br/ojs/index.php/ActaSciHuman SocSci/article/view/2416>. Acesso: 20/08/2012
TOLEDO, Cézar de A. Arnaut; RUCKSTADTER, Flávio M. Martins. A filosofia educacional dos jesuítas nas Cartas do Pe. José de Anchieta. Acta Scientiarum - Human and Social Sciences, Maringá, v. 25, no. 2, p. 257-265, 2003. Disponível em: < http://eduem.uem.br/ojs/index.php/ActaSciHumanSocSci/article/view/2179>. Acesso: 20/08/2012
TOLEDO, Cézar de Alencar Arnaut; RUCKSTADTER, Vanessa C. M. O Colégio Jesuítico da Vila de Paranaguá. Portugal, VII Congresso Luso-Brasileiro de História da Educação, 2008. Disponível em: < http://www.utp.br/ Cadernos_de_Pesquisa/pdfs/cad_pesq10/7_presenca_portuguesa_cp10.pdf>. Acesso: 07/06/2013.
VASCONCELOS, Simão de. Crônica da Companhia de Jesus do Estado do Brasil e do que obraram seus filhos nesta parte do Novo Mundo. Lisboa : A. J. Fernandes Lopes, 1865. 2 volumes. Disponível em: <http://www.brasiliana.usp. br/bbd/handle/1918/01827710>. Acesso em: 15/10/2012.
VIEIRA, Celso. Anchieta, 1933. Rio de Janeiro, Pimenta de Melo, 1929. 585 páginas
TAUNAY, Affonso de E. João Ramalho e Santo André da Borda do Campo. São
147
Paulo: Publicacao comemorativa do quarto centenário da fundação de Santo André da Borda do Campo, 1953.
VERAZANI, Katiane Soares. Assenhorear-se de terra indígenas: Barueri Séc. 
VICTAL, Jane; BATAGLIOLI, Mariana. Três viajantes no Vale do Paraíba na primeira metade do século XIX. Relatório de pesquisa, PUC-Campinas, 2010.
WERNET, Augusto. Vida Religiosa em São Paulo: do Colégio dos jesuítas à diversificação de cultos e crenças (1554-1954). In: PORTA, Paula (Org.). História da Cidade de São Paulo, v:1: a cidade colonial. São Paulo: Paz e Terra, 2004. Pags. 191-216.
WILLEKE, Venâncio. Missões Franciscanas no Brasil (1500-1975). Petrópolis: Vozes, 1974.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Tibiriçá, João Ramalho, e Anchieta - Amigos que Fundaram São Paulo

  Aqui uma cena de antes da chegada dos portugueses, na qual o pajé celebra um ritual de guerra enquanto Tibirçá e Potira jantam e bebem Cau...