terça-feira, 9 de outubro de 2012

História de Itã - o Homem dos Sambaquis


Mal chegam ao Sambaqui Itã e sua comitiva se alimentam dos mariscos do prospero local
Ano 6700 aC - Um pequeno hominídeo de aproximadamente 1,50m de altura lidera um grupo de caçadores/coletores numa região interior próxima à praia das Cabeçudas, em Santa Catarina (naquela época o nível do mar estava mais alto do que nos dias atuais).

read this article in English
Itã - O homem do Sambaqui
Podemos chamar este pequeno hominídeo de Itã (concha / pedra polida em Tupi antigo).

Itã avança com um pequeno grupo e encontra um diminuto Sambaqui abandonado em meio a uma rica reserva de moluscos, em uma linda praia. Essa pequena formação de 6 homens liderada por Itã é um grupo avançado que tem o objetivo de explorar os arredores, logo após de terem sido expulsos de um rico sitio a alguns quilômetros dali.

Este Sambaqui parece ter sido abandonado devido a escassez de moluscos, mas com o passar do tempo, deixou de ser um sambaqui exaurido e agora apresenta certa prosperidade.

Itã volta a seu grupo familiar acampado no interior e avisa os cerca de 200 integrantes de sua tribo familiar sobre a sua boa descoberta.

Esta é uma historia fictícia, com base nos últimos resultados de pesquisas arqueológicas que pode bem ter acontecido. Existe no litoral brasileiro e nas foz de grandes rios centenas de sítios arqueológicos de um povo seminômade, que viviam com uma certa organização social nos chamados Sambaquis.

Os Sambaquis (do tupi tamba'kï; literalmente "monte de conchas") encontram-se em toda costa brasileira, também são chamados de concheiros, casqueiros, berbigueiros, Sell Middens, etc. Estes depósitos de material histórico desde cedo chamaram a atenção dos colonizadores, foram visitados pelo Imperador D. Pedro II, exímio naturalista, que por eles se encantou, foram alvos de estudos por parte da Universidade de São Paulo e atraíram a atenção de Paul Rivet, o lendário Diretor do Museu do Homem, e "pai" da moderna Antropologia americana. No litoral sul do Brasil foram estudados pelo arqueólogo João Alfredo Rohr.
Sambaqui de Lagoinha - Santa Catarina
Estes sítios arqueológicos de dimensões monumentais que chegavam a ter até 30 metros de altura serviam de habitação, refugio e até mesmo de cemitério. Durante muito tempo acreditou-se que tratava-se apenas de restos fossilizados de povos antigos, mas estudos recentes indicam que estes montes de concha foram construídos propositalmente.

O estudo destas construções fornece um intrincado material de pesquisa tal qual um quebra-cabeças que nos mostra como foi a vida cotidiana dos homens pré-históricos que habitavam o litoral brasileiro.
Objetos colocados junto aos corpos indicam o ritual funerário - Museu do Homem do Sambaqui - SC

Restos de peixes e moluscos indicam que eles eram pescadores e coletores. "Descobrimos que a maioria dos grupos era sedentária e não nômade, como se pensava antes", diz o arqueólogo Paulo DeBlasis, da Universidade de São Paulo (USP).
A seguir, passo a passo de como os Sambaquieiros faziam os anzóis a partir de um fragmento de osso 

Restos de fogueira e de alimentos indicam que a dieta dos sambaquieiros vinha principalmente do mar. Algumas comunidades já cultivavam vegetais, o que trazia um problema inesperado: em cadáveres de sambaquis do Rio de Janeiro, a alta incidência de cáries pode estar relacionada ao consumo excessivo de mandioca.
Esta estatua de um casal de aves - Zoólito -  indica que os homens do Sambaqui praticavam a arte
A destreza dos sambaquieiros ficou registrada nos zoólitos, esculturas de pedra que representam mais de duas centenas de animais e de figuras geométricas. Em alguns casos, os artesãos caprichavam tanto nas imagens de peixes que é possível até reconhecer a espécie representada

Desde a planície costeira centro-sul de Santa Catarina, entre Passagem da Barra (município de Laguna) e lago Figueirinha (município de Jaguaruna), foram mapeados 76 sambaquis, dos quais 48 já possuem datação.
Utensílios para trabalhos diversos
A diferença de hábitos culturais e alimentares, levou à conclusão de que o sambaqui era obra de uma sociedade distinta daquela dos Tupi-guaranis, que então povoavam toda a região costeira do país. Estudos recentes, sugerem que os sambaquis foram erguidos por povos que viveram na costa brasileira entre 10 mil e 2 mil anos antes do presente.

O levantamento sistemático de sítios de Santa Catarina e datações permitiu identificar padrões de distribuição espacial nos sambaquis da região, quanto ao contexto sedimentar da época de construção, estratigrafia e idade. Desse modo, reconheceram-se nos sítios da região: cinco contextos geológico-geomorfológicos de localização; três padrões estratigráficos; e quatro fases de ocupação sambaquieira baseadas na quantidade de sítios e no tipo de padrão construtivo dominante.

O maravilhoso trabalho realizado pelos pesquisadores do Museu do Homem do Sambaqui Padre João Alfredo Rhor em Florianópolis – SC promete revelar ainda mais segredos sobre a bela historia dos primeiros homens que habitavam nossas terras, muito antes da chegada dos colonizadores.

15 comentários:

  1. Fico feliz Jacikele Macario , muito obrigado por sua participação!!

    ResponderExcluir
  2. eu adorei esse texto e as imagens tudo sobre os sambaquis

    ResponderExcluir
  3. foi muito legal ver os esqueletos,e os anzóis é muito interessante

    ResponderExcluir
  4. me ajudou muito em um trabalho de escola

    Aline,Ana Paula e Kesia
    Escola Aninha Pamplona Rosa
    Gaspar-SC

    ResponderExcluir
  5. Adorei ! Me ajudou muito no trabalho da Escola!

    Samira.
    E. E. B. Professora Aninha Pamplona Rosa

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. gostei deste texto me ajudou muito na escola-YURI.

    ResponderExcluir
  8. essas informações vão me ajudar muito no meu trabalho da escola-GABRIEL.
    ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA ANINHA PAMPLONA ROSA
    GASPAR-SC

    ResponderExcluir
  9. me ajudou muito no trabalho da escola e me ensinou o que e sambaquis.
    Paulo e Jeferson
    E.E.B Prof Aninha P Rosa - Gaspa SC

    ResponderExcluir
  10. Achei muito legal as histórias dos sambaquis elas são muito interesantes e ajudou muito nos estudos.

    Caroline Denegredo,Carla C. D.Klabunde.

    E.E.B. Professora Aninha Pamplona Rosa.
    Gaspar-SC

    ResponderExcluir
  11. essas informações são importantes para estudar melhor
    Escola Aninha Pamplona Rosa
    Gaspar - SC
    Luiz e Wilian
























    ResponderExcluir
  12. Me ajudou a entender mais sobre os sambaquis e adorei a foto das lanças.
    Indianara eJanaina
    E.E.B Professora Aninha Pamplona Rosa

    ResponderExcluir
  13. Fico feliz por ter ajudado estudantes em suas tarefas - fico mais feliz ainda em saber que essa nova geração entra em meu blog com o nome "Ame o Brasil" e compartilham de minha empolgação por nossa historia e cultura.

    Desejo a todos vida prospera feliz e brilhante.

    ResponderExcluir